Especiais

Coisas que todo mundo, principalmente ufólogos já deveriam estar sabendo há muito tempo

 

Alberto Francisco do Carmo

Os motores de avião a jato hoje e mesmo a maioria dos de ontem, para você ver fogo você tem olhar e bem de perto, o avião POR DE TRÁS. É a única maneira de ver fogo num avião de hoje. Os motores "a jato" de hoje já não são tanto a jato. Eles são turbofan, ou seja, turbo ventilador. Isto quer dizer que bem na frente do compressor (jogo de pás fixas e móveis que comprime o ar até a câmara de explosão) há um enorme ventilador que desvia boa parte do ar para um duto anular em volta do motor propriamente dito. Então o escape de um motor moderno (e já faz muitos anos) é composto de um núcleo de jato quente que sai do motor e outro de jato frio que escapa do duto anular que envolve o motor. Por isto os motores de hoje são todos "gordinhos" em relação aos antigos, que eram jato puro. 

 


Aviões cruzando o céu noturno podem ser confundidos com ovnis

Por que, se faz isto? Porque se descobriu que o jato puro (sem ventilador) permite grandes velocidades, mas consome uma enormidade de combustível, além de fazer um ruído ensurdecedor. Então o jato puro empurra gases a altíssimas velocidades, mas em pequena quantidade. Com o turbofan acontece o contrário: são enormes quantidades de gás, a maior parte frio que são ejetados a MENOR VELOCIDADE. Qual a vantagem? Você empurra grandes quantidades de ar, com ganho de carga útil. Um Jumbo a jato puro seria impraticável. Mas em compensação, você anda mais devagar. 

Uma das coisas que pouca gente sabe é que diante da crise crescente do petróleo, optou-se em grande parte pelo turbofan. Mas com a adoção do turbofan, os aviões modernos, embora transportem mais passageiros, ANDAM UM POUCO MAIS DEVAGAR QUE OS ANTIGOS. Um MD-11 de hoje anda a coisa de 890 km/h ao passo que um Boeing 707 de primeira geração fazia 920 a 950 km/h e os Convairs 880 e 990 (a antiga Real usou este) alcançavam 1.050 km/h. O motor deste era um turbofan fajuto, mas apesar de mais rápido era o modelo que menos passageiros transportava. Resultado: todos estes aviões muito velozes, mas de poucos passageiros, simplesmente ACABARAM. Preferiu-se andar mais devagar e transportar MAIS GENTE. O Concorde, apesar de jato puro e Mach 2 transportava menos passageiros que um 737 de hoje. 

Isto, aliás, para nós ufólogos, é um sinal. O nosso jeito de voar, ao contrário do que se pensa, já esgotou as possibilidades. Nunca teremos um Jumbo hipersônico, pois teriam de ser jato puro e consumir enormes quantidades de combustível. 

Por outro lado, ônibus espaciais a hidrogênio líquido e oxigênio são uma roleta russa cada vez que decolam. São aeronaves cauim motores-foguete isto é levam o oxidante e o combustível, porque voam muito alto. Na verdade, os ônibus espaciais americanos foram ambiciosos demais, porque foram construídos com mio líquido. Por isto os americanos estão tendo de usar os foguetes russos, que embora mais "antigos" (oxigênio líquido e algo como a querosene ou gasolina) são mais práticos e mais seguros. Nem os russos quiseram desenvolver naves tripuladas com hidrogênio e oxigênio. 

 

Fizeram um (cópia dos ônibus espaciais americanos) fizeram um teste e desistiram. E as velhas Soyuz estão aí até hoje. 

 

Até os aviões de combate de hoje estão mais lentos. Isto também porque se descobriu que além Mach 1,7 os reflexos humanos não mais respondem a raciocinar em altas velocidades. Preferiu-se, portanto aviões mais lentos, mais ágeis e mais econômicos no consumo. Os velhos Mirages da FAB são mais velozes que os modernos caças americanos.

 

Portanto quando um UFO é visto ou detectado em velocidades hipersônicas, é mais um sinal definitivo de que não é coisa deste mundo. Entretanto nenhum caça supersônico pode andar o tempo todo em altas velocidades. Ele pode atingir velocidades supersônicas em alguns momentos para acelerar para interceptar ou se evadir. No resto do vôo ele anda a velocidades subsônicas, coisa de 900 Km/h.

 

Alguns caças modernos têm a famosa capacidade do que chamam de "cruzeiro supersônico", mas isto significa que eles voam durante certo tempo a velocidades ligeiramente superiores à do som, no máximo a 1.100 ou 1.200 km/h. Portanto, qualquer coisa voando em nossa baixa atmosfera a velocidades supersônicas e com manobras ágeis definitivamente, não é coisa deste mundo.

 

 

Voltar