Especiais

Dinossauros e alienígenas

 
 

Dr. Ernesto Bono

 

“Muito a propósito o jovem Alexandre perguntou-me: Dr. Bono, onde se encaixam os dinossauros na Odisséia Galáctica da Humanidade? De onde esses bichos vieram? Como morreram? Para onde foram? Gostaria que me obsequiasse sugestões de alguns sítios na internet ou algum livro. Já li a respeito de achados bizarros, como por exemplo: furos estranhos no crânio dos dinossauros, como que provocados por artefatos de fogo precisos. Encontrei um livro deste na biblioteca da Casa Cultura, não lembro o nome do autor, porém, infelizmente, ou alguém retirou o livro, ou deu um sumiço de vez, pois fui busca-lo no outro dia e não o encontrei! Acho mais provável a primeira hipótese. Enfim, agradeço antecipadamente. Alexandre Oliveira Ávila”.

Pois é, amigo, no fundo, no fundo, não sei lá grandes coisas a respeito desses dinossauros. Parece-me que a presença deles era uma total contradição às pretensões de harmonia e equilíbrio da Natureza. Isto é, eles eram um total paradoxo, pois eram extremamente vorazes, e sendo vegetarianos não havia frutos, ervas e árvores que bastassem. Mas sendo eles carnívoros como o Tiranossaurus Rex (fotos acima), Megalossaurus, Eustreptospondylus etc eram predadores ao extremo. E até parece que sofriam da doença de certos homens que se comprazem em matar à toa. Alguém, pretensamente entendido, disse-me que esses bichos enormes foram colocados aqui para que por meio da defecação fertilizassem o solo da Terra. Como liberavam imensas cagadas, isso depois se espalhava e fertilizava a terra. Pois, pois, até parece piada. Eu tenho uma proposição que pode ser válida, mas também pode não ser. Por exemplo, a ciência coloca a existência dos dinossauros entre os 260 milhões de anos e os 70 ou 60 milhões antes de Cristo. Para a Ciência, um arremedo de homem teria surgido um milhão ou dois milhões de anos atrás. Confesso-te que para mim a contagem do pretenso tempo físico é totalmente infundada, malgrado as pretensas provas da ciência, que nem sempre são provas. Esse tempo contínuo da ciência não existe. O verdadeiro tempo objetivado é uma sanfona, encolhe e dilata. Isto é, um ano pode equivaler a 365 dias, mas também pode equivaler à metade, a um quarto, ou ao dobro de 365 dias. Para teu escândalo, a Teoria da Evolução de Darwin e de outros mais é uma brutal mentira. As gravuras das Pedras de Ica, encontradas no Peru, são autênticas, mostram imagens dos homens de Ica convivendo com dinossauros, domesticando-os, e até mesmo caçando-os para comê-los. Esses seres humanos de Ica teriam vivido milhares ou milhões de anos atrás na América do Sul, ao mesmo tempo que os Dinossauros, coisa que a ciência jamais admitiria. O antigo domínio dos homens de Ica teria sido o Peru, a Bolívia, a Colômbia, o Norte do Brasil etc.—— Pois bem a tese que quero apresentar, e que é até bem plausível, é que milhares ou milhões de anos atrás, conforme relata O Livro de Enoch (ver meu livro Apocalipse Desmascarado), para a Terra vieram 200 ou mais Filhos da Luz ou alienígenas benevolentes. (A tradição judaica, propositadamente transformou esses 200 astronautas em monstros, em demônios pavorosos e para tal distorceu por completa a narrativa do Livro de Enoch, e que jamais foi escrito por um Enoch, pretenso patriarca bíblico). Esses 200 ou mais Filhos da Luz, penalizados com a condição humana que era a pior possível, pois os homens serviam de pasto, de comida para o Moloch cósmico usurpador e seus aliados, ou seja para o Demiurgo, o falso deus e sua equipe. Tais filhos do céu criaram para si mesmos um aparelho genital e escolheram dentre os seres humanos as fêmeas mais sadias e belas e com elas se cruzaram, transferindo adiante a semente sagrada, e suscitaram uma descendência magnífica, uma descendência de gigantes belíssimos e justos, de heróis fortes, valentes, guerreiros, inconformes, que igual a Hércules, iriam enfrentar as patifarias do Demiurgo-Jeová e sua equipe, gigantes que a tradição chamou de Nefelin. O Livro de Enoch totalmente deturpado diz que do cruzamento e da descendência dessas filhas da Terra com os 200 Filhos de Deus saiu uma geração de monstros totalmente deformada. Isto é teriam nascido monstros com mais de 200 cóvados de altura, ou seja, com mais de 20 metros de altura.

Imaginem um modesto útero feminino humano e terrestre, originar seres desse tamanho. Esse é um absurdo que o autor original do livro não teria escrito, mas que os redatores judeus, distorcendo tudo, acrescentaram. — A verdade porém é que, e tudo levar a crer que sim, tal cruzamento dos Filhos do Céu com as filhas da Terra, com discos voadores e tudo o mais, ocorreu de fato, e a descendência dos Nefelins também é verdadeira, só que nada tem a ver com aquela deformada e deturpada que os manipuladores do Livro de Enoch quiseram nos fazer crer. Os monstros que o Livro de Enoch fala são exatamente os seres danados que o Demiurgo gerou e mandou para cá, mais tarde. Portanto, essa geração de 200 cóvados correspondia aos dinossauros introduzidos pelo Demiurgo. Os Nefelins ou tal descendência passou a existir de fato, e numa pequeníssima minoria existiria até hoje, malgrado os pouquíssimos que constituem a anti-raça humana, a mando do Demiurgo, tenham tentado exterminar esses seres. Resquícios dessa semente persistem até hoje na corrente sangüínea de alguns poucos, sob o aspecto de "minnie" ou memória ancestral. Os inimigos dos homens insistem na miscigenação das espécies humanas, numa tentativa de anular o que ainda sobrou de tal Semente Sagrada. Não querem que o homem, graças à recuperação e permutação de tal semente, se transforme num ser superior, num herói, num semideus, num deus, livre de demiurgos da vida. — Mas como estava dizendo, o terrível quando viu que a raça humana havia conseguido uma espécie de redenção e de libertação, e que havia se encaminhado para uma Verdadeira Evolução, gerando essa super raça defensora de seus direitos, o Demiurgo, por conta própria, simplesmente criou uma imitação dos Nefelins que resultou em monstros ou em dinossauros, para que, ao se espalharem pela terra aniquilassem com a raça humana e principalmente aniquilassem com os nefelins. — Por outro lado, o demiurgo jamais cria ou se Manifesta harmonicamente como o Deus Vivo ou a Autonatureza faz. Apenas distorce, copia, imita, faz arremedos e barbaridades para atormentar a raça humana. Todos esses insetos e micro parasitas que atormentam o homem, plantas e animais são recriações demiúrgicas. Tais dinossauros, tendo se instalado aqui, mormente os carnívoros, começaram a caçar todos os demais seres vivos, os homens principalmente. Daí porque as gravuras das Pedras de Ica (foto ao lado) mostram homens lutando contra dinossauros. E aí teve que vir outra onda de ETs da Luz para enfrentar esses monstros. Estes deuses antigos se aliaram com os homens ou com os nefelins e começaram a caçar e a destruir os dinossauros com armas de fogo e tudo o mais, por isso os buracos que não poucos esqueletos de dinossauros apresentam em sua cabeça. Esta aliança entre homens e deuses está relatada em alguns livros do Oriente e também na Mitologia Grega, em que deuses e homens lutam contra os GIGANTES. — E mais, atualmente os ETs alfa-cinzentos e principalmente os ETs reptilianos seriam exatamente os mutantes e sobreviventes desses antigos dinossauros. E não foram poucas vezes que tais ETs, alfa-cinzentos mais os reptilianos, disseram para alguns contatados que eles eram os verdadeiros herdeiros da Terra e que estavam aqui para tomar posse dela outra vez.

“Amigo, Alexandre não tome muito a sério, isso que acabei de te dizer, porque foi minha fada madrinha que me contou, e ela me conta tudo como se fosse uma piada e vai ver que é. E também me exprimo assim porque existem algumas pessoas que se melindram com toda a facilidade. Um abraço Ebono”.



  ERNESTO BONO, nascido na Itália em 19/07/1934, residente no Brasil, em Porto Alegre, desde março de 1947. Naturalizado brasileiro. Solicitou sua naturalidade italiana original de volta, para poder assim ficar com duas nacionalidades, mas lhe foi negada. “O Brasil é minha pátria de adoção e ao Brasil devo tudo”. Com formação universitária na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre; e experiência psiquiátrica, Hospital Psiquiátrico São Pedro, Porto Alegre, onde trabalhou durante 23 anos. Suas atividades consistem em medicina interna, psiquiatria, psicoterapia, medicina do trabalho.

Abaixo alguns dos diversos livros que ERNESTO BONO lançou em seus 66 anos de vida. Seus trabalhos colocam o leitor em um profundo estado de reflexão e podem trazer mudanças drásticas - até nos mais básicos conhecimentos do ser humano. Assim, não são recomendados para pessoas fracas, assustadas, improdutivas, radicais, acomodadas e incapazes de tentar caminhar além do fútil e do trivial.

 

     

Se quiser adquirir algum livro entre em contato direto com o autor acesse:

http://blogdoernestobono.blogspot.com.br/

Voltar